AdSense

<script async src=”//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js”></script> <ins class=”adsbygoogle” style=”display:block” data-ad-format=”fluid” data-ad-layout-key=”-fa+62+4i-ju+kl” data-ad-client=”ca-pub-2661121224460623″ data-ad-slot=”1922306598″></ins> <script> (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); </script>


65510_10151412102873972_1587608146_n

Coluna: Mulheres Maduras, por Ana Kalyne

Tenho visto muitos casos de mulheres que decidem ser mães depois dos 40 anos. No passado era bem diferente. Elas pensavam o mais rápido possível em construir uma família. O tempo passou e, com a luta das mulheres por direitos iguais, passaram a colocar como prioridade o sucesso profissional.

Além da carreira, muitas também deixaram o casamento para segundo plano. Com isso, elas têm se tornado cada vez mais independentes e quando percebem o tempo já passou, ou não. Ao ter essa conscientização, a gente percebe uma luta incansável por métodos de fertilização assistida e até uma gravidez natural. A maternidade é um dom que Deus nos deu. Nós, mulheres, fomos escolhidas para conceber o futuro. Temos que refletir sobre essa escolha, pois é a mais importante de nossas vidas.

Fui mãe aos 30 anos e a vontade de ser mãe de mais um não passou com a idade. Acredito que nunca é tarde para exercer a maternidade com amor, dedicação e muitas renúncias. A gente vê exemplos como o da atriz Solange Couto. Ela foi mãe aos 55 anos e teve uma gravidez tranquila, colocando fim às teorias de riscos para a mãe e o bebê. Isso mostra a vontade de Deus e a importância de assumir um filho quando nos é dado.

A minha gravidez foi uma surpresa, fiquei com medo do abandono, da responsabilidade, do preconceito. Mas esses pensamentos logo foram trocados pelo amor que já sentia por quem estava dentro de mim. Assumi a maternidade sozinha. O abandono não me abalou e o preconceito, mesmo existindo, nunca me fez baixar cabeça. Sou mãe solteira e daí, ser mãe casada? Mãe é mãe…

Aliás, foi a minha mãe que assumiu a gravidez comigo. Eu nem precisei contar a novidade. Ela só olhou bem nos meus olhos e disse: você está grávida e eu vou estar sempre ao seu lado. Por isso sempre brinco e a chamo de “marida”. Foi ela quem escolheu o nome, deu o primeiro banhou, trocou fraldas e, ainda hoje, é quem cuida da minha filha. Inclusive, quando decidi sair de casa para morar na minha própria casa, minha filha optou por permanecer com a avó.

E isso não me abalou. Muito pelo contrário. Mostrou que minha filha é como eu: sabe ser grata, reconhece esse amor incondicional e, claro, sabia que continuaria a ser o bebezinho da vovó. Não me arrependo de nenhuma das minhas escolhas. Sei que não sou uma mãe perfeita e não tenho pretensão em sê-la um dia, mas faço tudo com amor e por amor. Mas a maior e melhor escolha que fiz foi ser mãe… e faria tudo de novo!

Sabemos que muitas mulheres lutam para engravidar. Muitas, no passado, tiveram medo da maternidade e da ausência de um pai, e optaram por um aborto. Criticar essas mulheres? Nunca, cada um tem o livre arbítrio e também devem arcar com as consequências de suas escolhas.

Ter um filho sozinha não é fácil, em qualquer idade. O desespero leva mulheres a abandonarem seus bebês em casos que chocam a sociedade, esta que recrimina muitas dessas ações. Mas temos de ter em mente que existem leis para isso. Não somos competentes para julgar. Cada um é responsável pelos seus atos.

Só digo, sem medo de errar, ter um filho é um presente divino. Não somos escolhidas por acaso. Em qualquer idade devemos dar as boas vindas e esse ser que vai depender de nós pelo resto de nossas vidas. Se eu teria um filho hoje? Claro! Se esse presente me for dado de novo vou recebê-lo com o maior amor do mundo. Acho que nesta fase, conseguiria ser mais presente, já saberia dar banho, trocar fraldas, esquentar mamadeiras, aliviar as cólicas e tentaria ser uma mãe melhor. Nada acontece por acaso na vida da gente.

Uma mulher que decide ser mãe depois dos 40 anos deve seguir cuidados, mas isso não significa que a gravidez vai ser um perigo. Muito pelo contrário. Encarar a gestação como um presente nos faz encarar a vida com mais prazer. E olhar para o bebê em nossos braços nos faz perceber que tudo na vida vale a pena, principalmente quando sabemos que vamos aprender o que é amor incondicional.

Filhos depois dos 40? Filhos são filhos e é isso que importa!


  1. dez 05, 2013

    Muito bem colocado Ana, escolher, querer, assumir, tudo gira em ter responsabilidades. bjs

  2. Lucy Betânia

    nov 28, 2013

    Parabéns Ana Kalyne!!!
    Adorei a matéria … estar gravida após os 40 anos é mesmo incrível, maravilhoso uma dádiva de Deus. Sendo minha segunda gravidez, depois de um espaço de 8 anos praticamente, é como se fosse minha primeira. Estou amando e percebo hoje as coisas com mais maturidade e experiência.


  3. nov 27, 2013

    Ameiiiiii a Matéria minha amiga linda Ana Kalyne! Parabéns, muito bem colocado, a idade não determina nada, a vontade de Deus sim vai dizer a hora! Beijos Dú

© Espaco de mulher, 2013. Todos os direitos reservados. layout por sara silva subir